Retro Controle – Comix Zone (Porrada, HQ e Mega Drive)

A era dos 16 bits sempre trazia coisas boas e inovadoras. Especialmente a Sega era uma empresa que pelo seu marketing de estar voltada para o publico mais radical e jovem, nos presenteava com alguns games que marcaram nossas vidas. Um deles é claro é o Comix Zone, um game de ação, side-scrolling no formato de quadrinhos que mexeu com a cabeça de muita gente. Confira a historia e o gameplay desse game maravilhoso.

Lançado em agosto de 1995 para o Mega Drive / Genesis, Comix Zone é um game ação no melhor estilo arcade. Sua característica única em que é definido dentro dos painéis de uma história em quadrinhos deixou muita gente boquiaberta. O jogo é composto por níveis (ou capítulos, lembre-se que é uma historia em quadrinhos), e cada nível é composto de duas páginas e segredos são descobertos cada vez que papel da tela (no caso da HQ) é rasgado revelando itens. O diálogo do game segue o formato de quadrinhos, com balões que apontam para os personagens enquanto falam. O game possui, cores bem vivas, com um estilo de desenho dinâmico favorecido por super-heróis dos quadrinhos.

Embora muitas pessoas curtam o jogo, Comix Zone foi criticado por ser lançado muito tarde beirando o final da geração (já estavam no mercado o Playstation e o Saturn), e por ser muito difícil e curto, (você consegue zerar o game em apenas 20 minutos), mas tirando esses pequenos empecilhos foi recebido de forma positiva e elogiado por sua jogabilidade, gráficos e trilha sonora que diga-se de passagem é muito boa.

Como Surgiu a ideia

O jogo era originalmente de um vídeo conceito animado por Peter Morawiec intitulado “Joe Pencil Trapped In The Zone Comix”. O vídeo foi feito em 1992, mostrando a animação de como a jogabilidade e os elementos de quadrinhos iria misturar-se.

A Historia do Game

A historia do game começa com Sketch Turner, um desenhista morto de fome, músico de rock independente, e vivendo em Nova York (aquele abraço Peter Parker). Sketch está trabalhando em sua nova HQ, chamado de “Comix Zone”. A história narra a tentativa do Império do Novo Mundo para defender a Terra de uma invasão de renegados alienígenas. A inspiração nasceu dos sonhos e pesadelos de Sketch . Uma noite, enquanto o roqueiro desenhista está trabalhando em sua obra, e durante uma tempestade, um raio atinge o painel em que ele está desenhando. Neste instante, o principal vilão da Comix Zone, um poderoso mutante chamado Mortus, consegue escapar das páginas da HQ, tentando matar Sketch, assim ele se tornaria humano e dominaria o mundo real. Não possuindo poder no mundo real, Mortus envia Sketch para o seu mundo do gibi, e começa a desenhar os inimigos para atacar o nosso herói tentando concretizar seu plano que é matá-lo.

Dentro da HQ, Sketch atende as “ligações” da General Alissa Cyan, que acredita que ele é um super-herói (ou como chamo “o escolhido”, aquele abraço Neo), e que veio para salvar a seu pós-apocalíptico mundo da maldade das Mortus e os invasores alienígenas. Ignorando os protestos de Sketch , Alissa envia o cabeludo em sua missão, mantendo contato com instruções e sugestões via rádio. Agora Sketch tem a missão de deter os planos malignos de Mortus e encontrar uma maneira de sair da HQ antes que sua própria criação resolva apagá-lo de vez da historia (sacou o trocadilho?).

Gameplay

Comix Zone é um jogo de ação em plataforma no qual o jogador controla Sketch, como ele progride através de painéis de seus quadrinhos, na esperança de chegar ao final e escapar antes que suas próprias criações acabarem com ele. Junto com ataques padrão, como socos, chutes e voadoras (no melhor estilo espacate do Jean-Claude Van Damme, quem lembra?). Sketch pode armazenar até três itens em seu inventário para ajudá-lo a superar obstáculos. Armas como bombas e facas, que também podem ser usados ​​para destruir obstáculos. Para recuperar sua saúde Sketch toma chá gelado. Roadkill rato de estimação, pode descobrir itens escondidos e chegar a áreas que são muito perigosas para Sketch de alcançar. E você tem um golpe especial, em que um punho o transforma em Super Sketch , e libera um poderoso “Power Up” destruindo todos os inimigos na tela.

Sketch também pode arrancar o papel do cenário fazer um avião e atirar nos inimigos, mas isso custa um pouco de sua saúde, e se você não for cuidadoso o avião volta em você e arranca-lhe um bocado de energia. O jogo tem vários caminhos para você chegar a seu destino final, dando uma jogabilidade bem diferenciada e diversão fortes.

O ideal é jogar Comix Zone com o controle de seis botões do console. Os botões X, Y e Z correspondem ao inventário Sketch .

Dois Finais Diferentes

O jogo tem dois finais. E para ver os dois é necessário batalhar literalmente, confira:

No primeiro final, Alissa tenta desarmar uma bomba nuclear, quando Mortus entra na HQ e joga a mocinha para uma câmara, que começa a se encher de líquido. E nessa hora que você tem que sentar a porrada em Mortus. Se você derrotar o vilão em tempo, consegue drenar o líquido e salvar Alissa e sair da HQ para o mundo real. Nesse final Alissa consegue sair da HQ junto com Sketch. A HQ Comix Zone é um enorme sucesso, sendo esgotada em vendas em seu primeiro dia. Alissa se junta ao exército, tornando-se chefe de segurança dos Estados Unidos. Roadkill (o rato do jogo) é dada uma grande quantidade de queijo mussarela, e passa muito tempo explorando o novo sistema de esgoto da cidade, e passa a dormir sob uma pilha de meias sujas do Sketch.

No segundo final, se você conseguir derrotar Mortus depois da câmara se encher com o liquido, Alissa morre. Sketch consegue sair da HQ, mas ela é destruída. A última frase do games diz: “Will Sketch recreate his adventure for a happier ending?”, que seria Sketch recriará sua Aventura para um final feliz?”.

Em outros consoles

O jogo foi portado para o Game Boy Advance só na Europa, desenvolvido pela Virtucraft e publicado pela Sega. Embora o compositor das músicas fosse o mesmo (Howard Drossin (Música e Efeitos Sonoros / Character Voices), os fãs criticaram bastante por causa de sua música ser muito diferente da versão do Mega Drive. Além disso, apesar de terem um tamanho de tela significativamente menor que resultou em menos itens na tela.

O jogo também é um easter egg dentro game Sonic Mega Collection, onde é um jogo escondido em todas as versões. Para desbloquear o game basta ter o game Sonic Heroes salvo, ou iniciar todos os outros jogos de Mega Drive por 50 vezes.

O jogo também é parte do Sega Mega Drive Collection para o PlayStation 2 e PSP. Teve um lançamento no Wii Virtual Console, Xbox Live Arcade, Ultimate Collection Genesis (Xbox 360 e PlayStation 3 ), faz parte do Steam, e na PlayStation Network como parte da coleção Vintage SEGA.

Musica e a Arte do Game

A música foi composta por Howard Drossin , um compositor de vídeo game music e filmes. O Art Concept foi feita pela Filipino comics artists, Tony DeZuniga e Alex Niño .

A versão norte-americana da Comix Zone incluiu uma trilha sonora de rock, no melhor estilo anos 90. O CD bônus teve doze faixas de artistas americanos:

  • Danzig – “Going Down to Die”
  • Lordz of Brooklyn – “Saturday Night Fever”
  • MC 900 Ft. Jesus – “Buried at Sea”
  • Jesus and Mary Chain – “I Hate Rock and Roll”
  • Love and Rockets – “Words of a Fool”
  • Lords of Acid – “Do What You Want to Do”
  • Stiffs, Inc. – “Chelsea”
  • Julian Cope – “Try, Try, Try”
  • God Lives Underwater – “No More Love”
  • Ruth Ruth – “Uninvited”
  • Laika – “44 Robbers”
  • Lindsey – “Got it Going On”

Escute as musicas:

O lançamento europeu do Mega Drive e as versões de PC do jogo, tem uma trilha sonora, que interpretada por uma banda de rock chamada Roadkill (o rato de estimação do personagem). A trilha sonora foi liberado mais tarde na América do Norte no Sega Tunes.

  • “Into the Zone” é uma versão vocal da música ouvida na tela Opções dos jogos
  • “Feed my Disease” é baseado na música ouvida no episódio 1, Página 2-1;
  • “10.000 Knives” é baseado na música ouvida no episódio 2, Página 2-2;
  • “Seen it for Days” é baseado na música do episódio 1, página 1-2;
  • “Woe is the World” é o tema do chefe do jogo
  • “Last to Follow” é baseado na canção ouvida no episódio 2, página 1-3.

Dicas do game

Durante o jogo mantenha o botão A pressionado. Sketch arrancará um pedaço da página e fará um avião de papel. O avião destruirá quase todos os inimigos da tela, mas você perderá um pouco de energia.

Para fazer o Sketch peidar, após derrotar todos os inimigos da tela pressione para baixo repetidas vezes.

Pause o jogo e aguarde até que apareça Sega no balão de fala. você ouvira o SEGA.

Fique invencível. Na tela de título selecione Options e depois Jukebox. Pressione o botâo C em cima das seguintes músicas: 3, 12, 17, 2, 2, 10, 2, 7, 7, 11. Uma voz dirá Oh Yeah, confirmando que a dica funcionou. Agora basta iniciar o jogo e você estará invencível.

Para ver os créditos. Na tela options pressione ao mesmo tempo os botões A, B, C e Start.

E você o que achou desse game? Deixe seus comentário no post e lembre sempre, com grande poderes… não pera essa frase é de outra HQ.

 


  • Alexandre Monteiro Silva

    Que matéria completíssima! Eu gosto muito desse jogo, mas nunca parei para pesquisar nada sobre ele, obrigado e parabéns pelo trabalho Beto!

Passa o Controle